24 de abril de 2012

Mente & Coração

Conta a lenda que em um reino muito própero e feliz, o sábio rei Kamadewa, em seu leito de morte, deixou para seus dois filhos - Ravi e Shandar, a responsabilidade de governar mantendo a prosperidade de seus súditos.
Para que isso acontecesse, o rei tirou de sua coroa duas pedras: uma vermelha - a do coração, e outra azul - a da justiça, e mandou que seus filhos escolhessem a melhor forma de dividir as pedras e o reino.
Assim, após a sua morte, a conselheiro Candal, amigo do rei, dividiu o reino igualmente em dois e mandou confeccionar duas coroas com um lugar central para colocar as pedras escolhidas. Pediu aos príncipes para pensarem em como dividir as pedras e para que ele pudesse guardar a adaga da sabedoria que pertencera ao rei e assim foi concedido.
No dia da coroação, o príncipe Ravir escolheu a pedra vermelha do coração e disse: "Sem sentimento, não há prosperidade!"
Por sua vez, o príncipe Shandar escolheu a azul e assim falou: "Sem justiça não há prosperidade!"
Após a cerimônia, os dois novos reis foram para seus castelos governar seus reinos...

Os anos se passaram e os reinos começaram cair em desgraça, em desunião e o povo se virar contra o seus reis.
No reino de Ravi, onde morava o coração, as pessoas começaram a fazer o que queriam, era só dizer para o rei que estava doente, que não precisaria trabalhar; que o rei mandava tirar de quem produzia e dava para ele, sem pestanejar. As decisões eram feitas de acordo com o sentimento do rei.
Por sua vez, no reino de Shandar, onde morava a justiça, mesmo que as chuvas arrasassem as plantações, se não produzia, não comia. Se o pai ficasse doente, as crianças saíam da escola para trabalhar e assim conseguir o dinheiro da moradia. Ali, as decisões eram feitas de acordo com as leis - vale o que está escrito.

Até que um dia, os dois reis, já cansados de tentar recuperar a paz do seus reinos, foram visitar o sábio e perguntaram o que eles tinham feito de errado.

E Ravi assim falou:
- Sábio Candal, escolhi a pedra do coração para poder decidir com o coração, com humanidade. Não queria que minhas decisões levasse em consideração apenas o que está escrito nas leis e veja o que está acontecendo!
Shandal também se pronunciou e assim falou:
- Sábio Candal, escolhi a pedra da justiça para poder decidir de acordo com o que está escrito, para não cometer injustiça no meu reino. Não queria que minhas decisões levassem em conta o que sentia em relação aos meus súditos. e veja como está meu reino!

Ao ver as lágrimas dos dois reis, o sábio pediu a pedra de cada um deles, e com a adaga da sabedoria cortou-as ao meio e colocou em cada coroa a metade de cada uma.
E assim explicou ao reis:

- Seu pai governou com as duas pedras. A prosperidade de seu reino sempre foi devido a isso. Não há justiça sem coração. As leis são frias e existem em um pedaço de papel, por isso apenas o calor do coração pode aquecer o que está escrito e transformar estas duas virtudes em bem-estar para todos.

E assim, ao cair da noite, cada rei foi para o seu reino, com a certeza de dias melhores.



Até a próxima!

8 de abril de 2012

UM MÊS - E assim se passaram 30 dias, ou uma vida

Sexta-feira completou um mês que fiz a minha cirurgia de histerectomia total. A quarta cirurgia em três anos. Confesso que se tem uma coisa que eu não gostaria de saber de cor e salteado é o procedimento de um hospital. Nada de novo...
Desta vez eu não tive muito tempo de refletir no caminho do quarto ao centro cirurgico, pois logo me deram a anestesia, só tive tempo de pedir “Deus, que esta seja a última, ok? Mas que seja feita a sua vontade”. Tinha passado pela minha cabeça uma plasticazinha, mas quer saber de uma coisa?? Desculpe-me as feias, mas sou linda assim mesmo!!! Rsrsrs.
E passei por esta numa boa. No dia seguinte pela manhã já estava de banho tomado, cheirosa, de gloss e vestido rosa. Afinal não gosto de repetir sempre uma roupa, e o roupão branco do hospital está virando um uniforme rsrsrs. 
E lá estava eu internada sim,  derrotada não !  Prazer - RoPertile!
Neste tempo todo (3 anos) confesso que só teve uma vez que me perdi de mim mesma. Quando uma pessoa fez uma coisa que eu havia pedido para nunca fazer, quando os pontos da primeira cirurgia ainda estavam abertos, assim como o coração. E nesta hora eu me perdi. Me perdi de mim mesma, dos meus valores e crenças. Foi muito ruim, mas como tudo na vida, passou. E de tudo, nos cabe a experiencia vivida e traduzida em fortalecimento do Espírito.
Mas aí eu lembrei que uma frase que escutei certa feita: “Espere tudo das pessoas, até mesmo que elas te respeitem” (Paulo Cordeiro). E nesta frase eu retornei ao meu princípio de causa e efeito... e assim me achei de novo – para nunca mais deixar de ser RoPertile. 
E esta última cirurgia passou, há um mês. E confesso que foi um mês muito diferente. Muita reflexão, muitas boas (e não tão boas) notícias.
Tive a agradável surpresa de um amigo muito querido que há muito tempo não tenho contato me desejando boa sorte, e rezando por mim (Que a chuva caia de mansinho em seus campos...)
Pessoas doando sangue para mim, e fazendo a maior bagunça no Hemocentro (isso mesmo, eles se esbarravam no hemocentro rsrsr). Tantas mensagens, tantos telefonemas, e confesso (já pedindo desculpas!) que algumas vezes desligava o celular para poder descansar. 
Uma coisa que trabalhei em mim foi o TOC de ver as coisas fora do lugar. Caramba!!! Que angústia ver as folhas que caíam no quintal sem poder pegar na vassoura e varrer tudo! Sem poder cozinhar, dar uma arrumadinha na casa etc. 
E assim chegamos no domingo de Páscoa. O primeiro trimestre do ano voou.
E a partir de amanhã retomo minhas atividades normalmente. Claro! Sem poder (ainda) correr, nadar e...
Mas falta pouco, muito pouco.
O mundo é dinâmico, as dores viram sonhos, as alegrias viram saudades. E mais do que isso, um mês de molho é mais do que tempo para se pensar o que fazer da vida e como proceder na vida. E é assim, amanhã é um dia de muitas mudanças.
Ah... contei para você que comecei o meu curso de Gestão de Restaurantes? Petit  Mondrian em processo de gestação...

E como diz Guilherme Arantes...

Cuide-se bem!
Eu quero te ver com saúde
E sempre de bom humor
E de boa vontade
E de boa vontade
Com tudo...

Prá nunca perder
Esse riso largo
E essa simpatia
Estampada no rosto... 

Até a próxima!

7 de abril de 2012

Mudam-se os Tempos, Mudam-se as Vontades


Mudam-se os tempos, mudam-se as vontades, 
Muda-se o ser, muda-se a confiança: 
Todo o mundo é composto de mudança, 
Tomando sempre novas qualidades. 

Continuamente vemos novidades, 
Diferentes em tudo da esperança: 
Do mal ficam as mágoas na lembrança, 
E do bem (se algum houve) as saudades. 

O tempo cobre o chão de verde manto, 
Que já coberto foi de neve fria, 
E em mim converte em choro o doce canto. 

E afora este mudar-se cada dia, 
Outra mudança faz de mor espanto, 
Que não se muda já como soía. 

Luís Vaz de Camões, in "Sonetos"