10 de dezembro de 2011

"A Gente Encontra o Próprio Estilo Quando Não Consegue Fazer as Coisas de Outra Forma"

Certa feita, um amigo meu veio à nossa casa (quando ainda morávamos no apartamento) e ele começou a perguntar sobre os objetos da sala.
Daí eu comecei a contar histórias sobre cada um deles, da compra nas viagens, nas lojas, nas exposições... o que cada um deles representava.
Aí ele me disse que eu não tinha simplesmente uma casa, eu tinha uma história. Nunca mais esqueci disso que ele falou... e a vida seguiu.
Quando nós nos mudamos para esta casa, há três anos atrás, eu comecei a imaginar uma sala que pudesse contar uma história, que tivesse um pouco da nossa vida, da nossa forma de ser em cada canto. E aí eu comecei a montar a sala na cabeça.
Aqui em casa todos gostam muito de música, de filmes, etc. Eu não compro filme pirata. Todos aqui em casa são originais, e onde então armazenar tantos DVD e CD em um lugar só?
Assim eu já tinha comprado duas torres para os DVD. Afinal, onde guardar os shows do Santana que Claudionor tanto gosta?
E o rack branco para a vitrola de vinil. Afinal, cade coragem de me desfazer dos meus discos de rock originais - que ainda tocam? (Detalhe do vinil comemorativo dos 30 anos do Dark Side of the Moon em cima do rack)
Eu também quis fazer uma sala onde estivesse patente o meu amor pela arte, em especial a Mondrian, que é um artista que amo de paixão. E ele tem uma peculiaridade que me faz gostar mais ainda dele.. ele amava dançar, e adorava ir aos bailes para dançar as Big Bands, igualzinho como meu pai amado fazia quando ainda estava aqui conosco.
Então eu desenhei um Home Theater para acomodar todos os aparelhos e CD e DVD em um lugar só. Assim eu criei este móvel abaixo, onde a TV foi incluída para parecer uma parte da pintura de Mondrian.

quadro de Mondrian
 Outra coisa que eu amo são os meus quadros de Camile Claudel e Rodin, que fazem parte de um cantinho na  sala. Eu comprei quando tive a oportunidade de ver a exposição das obras dos dois artistas. O quadro de Camile fica um pouco abaixo do de Rodin pois a discípula, embora maravilhosa, não conseguiu suplantar a perfeição do mestre. E ela enlouqueceu de amor por ele...

O abajur foi comprado na Tok Stok, que fez alguns objetos em homenagem a Mondrian.
Para fechar o "quadro", mandei fazer cortinas simples, de tecido cru mas com uma barrinha bordô para dar um contraste. O nosso sofá é de dois lugares, para ficarmos juntinhos na sala tomando vinho e vendo nossos DVD (Quando temos convidados, temos puffs para sentar).
 Eu adoro este espelho que fica entre as duas janelas. Ele é feito de posters antigos na moldura vitrificada , bem legal mesmo. Só viu este na loja que comprei.



Eu queria uma sala aconchegante, onde todos se sentissem bem-vindos, abraçados, queridos, uma sala que trouxesse alegria de estar ali. O que melhor do que o quadro de Romero Britto - O Abraço?
O tapete é daqueles deliciosos ao toque, tipo "quero ficar descalço" da loja Lá na Nanda. Muito bom!
Até a próxima!!!

4 comentários:

  1. Nossa!!!
    Ficou muito bom, com a estante, as cortinas e o tapetes a sala ficou bem ampla com a claridade parece ser maior ainda.
    O Estilo a la Mondrian (cores primárias e traçado retos) deixa o ambiente mais vivo sem perder a harmonia, digamos que uma sala mais viva, alegre!
    Muito bom gosto!
    Parabéns!!

    ResponderExcluir
  2. Obrigado, Mô!
    sabia que ia gostar...
    ficou muito legal!
    bjs

    ResponderExcluir
  3. Querida Rô.
    Show de bola !
    A sala está muito aconchegante, clean e moderna ! Parabéns !
    A história foi construída aos poucos, quando você inconscientemente já comprava os objetos daquela sala que através da imaginação já havia criado; o tempo, encarregou-se do resto: torná-la "viva".
    Bjs.

    ResponderExcluir