26 de novembro de 2011

DESAPEGA QUE A VIDA CARREGA!

Há algum tempo atrás, eu vi um buraquinho estranho em uma blusa. E não era um buraquinho feito pelo mau uso de um broche.
Eu percebi a infestação de traças no meu closet. E isso é um problema. E acho pior do que qualquer praga urbana, mesmo porque geralmente a traça come aquela roupa que você mais ama.
Chamei a desinsetizadora e cá estava minha casa de uma hora para outras de pernas para o ar.
Imaginem uma casa onde tudo é de madeira, todos os armários embutidos, closet, despensa, armários de cozinha, de banheiro... enfim!
E não precisa perguntar se o gelzinho não seria melhor, se funciona. Traça é diferente de barata, e voce tem que impregnar a madeira com o inseticida -  e esperar secar por cerca de 24 hs.
Dois dias de bagunça total - E eu que gosto de tudo arrumadinho, pirei!! rsrsrs
Mas de toda experiência negativa, temos que tirar algo de bom.
Eu e Johann nos animamos para fazer aquela separação básica para doação. Johann espichou e perdeu muita roupa nova.  E eu? bom... uma engordadinha básica, rsrsrs
No fim da história, a bagunça teve um fim providencial e estaremos levando toda esta roupa que não usamos mais para um bazar beneficente.
E sabe a impressão que tenho? Não só as traças dos armários se foram, mas as traças do apego que temos também.
E neste fim de ano, que tal fazer uma faxina nas coisas que não usa mais, nos pensamentos que não combinam mais com você, com a postura em relação ao mundo que já está ultrapassada??
E assim, como ouvi um vez: DESAPEGA QUE A VIDA CARREGA!!!
Até a próxima!

24 de novembro de 2011

O HOMEM NOVO

Hoje eu recebi um link da Lilly muito bom.
O Augusto Martini, do blog Simplicidade das Coisas falando sobre o Homem Novo, em um artigo do editor Chefe da Revista Época.
Muito bom, mesmo! E vale a pena pontuar algumas coisas que ele fala.
Comentando sobre o Homem Antigo, ele fala algo que me chamou muito a atenção:
O Homem Antigo é invariavelmente provedor (que o Homem Novo nem sempre é), mas pouco sabe da casa e da rotina dos seus filhos, embora possa estar por ali, meio entediado, porque a vida de verdade está lá fora.
A mulher moderna continua fazendo as mesmas coisas que sempre fez, mas agora trabalha fora, estuda, enfim, acaba tendo uma tripla jornada de trabalho.
O homem pode ajudar - e isso é muito importante - na rotina da casa, arrumar, cozinhar,  manter a harmonia da  casa, mas não pode esquecer que mais importante do que a casa arrumada, a geladeira cheia, é ser PARCEIRO. Senão corre-se o risco de, ao invés de formar um lar, formar uma república. 
Quando estudei em Viçosa e morei em república, onde todos trabalhavam para a harmonia e a organização ... e só.
Achei fantástico quando Augusto fala que o homem velho "está por ali", somente isso. 
E fica logo entendiado porque para ele, o que vale é a visão egocêntrica que a vida está porta afora. E simplesmente sai. 
Abandona em casa a oportunidade de ser solidário, de mostrar que se preocupa e sente empatia pelos problemas da companheira. 
Afinal ele dá dinheiro e varre a casa. Já não basta? Ao que mais a mulher pode querer? pensa ele.
A mulher quer alguém que ela possa confiar e conversar sobre aquilo que a aflige. 
É muito? creio que não, pois ela desempenha este papel rotineiramente, sem alarde, e o Homem Velho nem percebe...
Mas vale o alerta ao "Homem Velho". O mundo continua girando, e cada dia é um novo dia, para todos.

Não deixe de ler o blog do Augusto, vale muito a pena.Escrito por um homem que sabe que vale a pena ser "novo"

Até a próxima!



13 de novembro de 2011

Stress Total: eu tô avisando... (editado)

Esta semana tem sido uma semana bastante estressante. Sabe quando as coisas, para se resolverem, movimentam uma energia muito grande sua???
Exames médicos, formulários, excesso de trabalho, demandas de todos os lados... assim foi esta semana e assim será a próxima semana.
Amanhã já vai ser tomado por periódico e risco cirúrgico - isso mesmo, vou operar de novo!!!
Aí eu quero ficar quieta no meu canto, e ninguém deixa!!! Ô coisa chata!! Será que não posso ficar quieta um pouquinho???
E quando não conseguimos sair da tristeza que toma conta, rezamos a Deus por um pouco de paz e recebemos um presente da providência divina.
Acabei recebendo este texto abaixo, da minha querida amiga Laila, que está distante, mas nunca ausente, e melhor! parece que percebeu meu astral e me mandou este material, atribuído a Drauzio Varella.
Até a próxima!

6 de novembro de 2011

VIDA SIMPLES: Como é complexa esta escolha!

Eu não sei o que acontece comigo, às vezes me pergunto se a minha forma de pensar se encontra dentro de uma "curva normal de distribuição". Tenho minhas dúvidas...
Um dia destes eu estava no Hortifruti comprando minhas frutas, quando me deparei com um mamão orgânico. Preço?? Caríssimo!!! Mas, mais do que o preço caro o que me incomodou foi ele vir em uma bandeja de isopor e embrulhado em filme de PVC.
E aí eu pensei... "gente do céu! prefiro o mamão comum na minha sacola reciclável do que o organicamente poluente. Sim, porque só o plástico demora cerca de 450 anos para se degradar.
Então comecei a pensar em como nossas escolhas na busca de uma vida mais simples tem uma complexidade de decisões tão grande! No fato que narrei acima, eu somei não só o produto em si, mas também o meio ambiente. E claro, fico imaginando a máquina aqui dentro funcionando feito louca para poder processar a informação e decidir - quero mamão comum.
Coisa de doido né?
E se a gente analisar direito, todas as nossas mínimas escolhas usam um processo extremamente complexo. Quer ver um exemplo? Comprar ou não uma roupa nova. Compro por que sou compulsiva? Compro porque estou deprimida e quero uma válvula de escape? Compro esta porque é mais barata? Compro a outra porque está na moda? Ou será que não compro nenhuma simplesmente porque não preciso de mais uma peça de roupa?  E neste instante que decido passa pelas emoções a questão da vaidade, do orgulho, das frustrações, enfim, passa toda a complexidade de escolhas deste Homem Integral.
É para pensar ... ou não!! Simplesmente porque hoje é domingo, e fim.
Até a próxima!!

1 de novembro de 2011

VOLTANDO PARA "CASA" - Tagore

Uma das coisas que vez ou outra escuto no meu trabalho é "aqui eu emburreci".
Não concordo com isso, acredito que aquilo que conquistamos de valores e cultura, seja no trabalho, na vida social, na família, gente leva para todas as nossas vidas.
Então, eu não acredito que emburreci, mas simplesmente estacionei.
E talvez por ficar algum tempo estacionado, a gente enferruja um pouco, mas se lubrificarmos direitinho, a vida volta ao normal e retorna à sua marcha evolutiva.
E esta é a minha proposta atual, e para desenferrujar um pouco, nada melhor do que as maravilhosas palavras de Tagore, um dos meus grandes amores!
Rabindranath Tagore é um poeta indiano (1861 / 1941) ganhador do prêmio Nobel de Literatura e portador de uma sensibilidade única.
E é ele o porta-voz de meus sentimentos...

Cântico da EsperançaNão peça eu nunca 
para me ver livre de perigos, 
mas coragem para afrontá-los. 

Não queira eu 
que se apaguem as minhas dores, 
mas que saiba dominá-las 
no meu coração. 

Não procure eu amigos 
no campo da batalha da vida, 
mas ter forças dentro de mim. 

Não deseje eu ansiosamente 
ser salvo, 
mas ter esperança 
para conquistar pacientemente 
a minha liberdade. 

Não seja eu tão covarde, Senhor, 
que deseje a tua misericórdia 
no meu triunfo, 
mas apertar a tua mão 
no meu fracasso! 

Rabindranath Tagore, in "O Coração da Primavera" 
Tradução de Manuel Simões]