31 de julho de 2011

Para Onde Foram Minhas Palavras?

Estou há algum tempo sem escrever por aqui. Sinto falta, sinto que estou em falta com você mas não consigo pensar em absolutamente nada!
Analisando esta falta geral de assuntos para escrever, começo a perceber que este vazio pode ser decorrente  de um ritmo muito intenso que tenho sofrido nos últimos dias em minha rotina. Sobrecarga no trabalho, sobrecarga em casa (férias escolares é um caos! rsrsr).
Além disso, os problemas de saúde e revisões médicas estão me levando à loucura!
Acho que por tudo isso, minha mente fértil está passando por um período de estio meio chato! Até estou sem paciência de ler! imagine só isso.
A questão é que a vida vai continuar agitada e a  saída é se adaptar sem se entregar...
Assim, estou em um período de buscar formas de adaptar a qualidade de vida e a simplicidade voluntária a este excesso de tarefas do meu dia a dia.
Todos meu neurônios estão focados para esta charada agora, então... filosofia zero, por enquanto!
Até a próxima!!

14 de julho de 2011

Uma declaração de Amor: A Arte de Ser Feliz

a arte de ser feliz...
Durante um seminário para casais, perguntaram a uma das esposas: - 'Seu marido a faz feliz? Ele a faz feliz de verdade?'
Neste momento, o marido levantou seu pescoço,demonstrando total segurança.
Ele sabia que a sua esposa diria que sim, pois ela jamais havia reclamado de algo durante o casamento.
Todavia, sua esposa respondeu a pergunta com um sonoro 'NÃO', daqueles bem redondos!
- 'Não, o meu marido não me faz feliz'! (Neste momento o marido já procurava a porta de saída mais próxima).
- 'Meu marido nunca me fez feliz e não me faz feliz! Eu sou feliz'. E continuou:
- 'O fato de eu ser feliz ou não, não depende dele; e sim de mim. 

Eu sou a única pessoa da qual depende a minha felicidade. Eu determino ser feliz em cada situação e em cada momento da minha vida, pois se a minha felicidade dependesse de alguma pessoa, coisa ou circunstância sobre a face da Terra, eu estaria com sérios problemas. 
Tudo o que existe nesta vida muda constantemente: o ser humano, as riquezas, o meu corpo, o clima, o meu chefe, os prazeres, os amigos, minha saúde física e mental. E assim eu poderia citar uma lista interminável.
Eu decido ser feliz! Se tenho hoje minha casa vazia ou cheia: sou feliz! Se vou sair acompanhada ou sozinha: sou feliz! Se meu emprego é bem remunerado ou não: eu sou feliz! Sou casada mas era feliz quando estava solteira. 
Eu sou feliz por mim mesma. As demais coisas, pessoas, momentos ou situações eu chamo de 'experiências que podem ou não me proporcionar momentos de alegria e tristeza.
Quando alguém que eu amo morre eu sou uma pessoa feliz num momento inevitável de tristeza. Aprendo com as experiências passageiras e vivo as que são eternas como amar, perdoar, ajudar, compreender, aceitar, consolar. 
Há pessoas que dizem: hoje não posso ser feliz porque estou doente, porque não tenho dinheiro, porque faz muito calor, porque alguém me insultou, porque alguém deixou de me amar, porque eu não soube me dar valor, porque meu marido não é como eu esperava, porque meus filhos não me fazem felizes, porque meus amigos não me fazem felizes, porque meu emprego é medíocre e por aí vai. 
Eu amo meu marido e me sinto amada por ele desde que nos casamos. Amo a vida que tenho mas não porque minha vida é mais fácil do que a dos outros. 
É porque eu decidi ser feliz como indivíduo e me responsabilizo por minha felicidade. Quando eu tiro essa obrigação do meu marido e de qualquer outra pessoa, deixo-os livres do peso de me carregar nos ombros. 
A vida de todos fica muito mais leve. E é dessa forma que consegui um casamento bem sucedido ao longo de tantos anos'.
Nunca deixe nas mãos de ninguém uma responsabilidade tão grande quanto a de assumir e promover sua felicidade. 
Seja Feliz, mesmo que faça calor, mesmo que esteja doente, mesmo que não tenha dinheiro, mesmo que alguém o tenha machucado, magoado, mesmo que alguém não o ame ou não lhe dê o devido valor.
(Autor Desconhecido)

11 de julho de 2011

VAMOS CORRER (2); Frustração Total

Dando continuidade ao meu projeto de correr a Maratona do Vinho, em 2013, eu comecei a fazer check-up para poder me exercitar com segurança, sem ter possibilidade de me machucar, ou coisa parecida.
Assim, semana passada fui ao meu ortopedista, que além de tudo, também corre.
Cheguei lá com a radiografia do joelho e ele confirmou uma bela lesão no joelho direito, completamente inflamado. Suspensão absoluta das caminhadas e qualquer exercício por três semanas, sem contar a torturantes sessões de fisioterapia. Fui diagnosticada com gonartrose, uma lesão que aparece mais em mulheres
Pois hoje fui à fisioterapia e de lá mais notícias ruins. Esta gonartrose pode ser causada por utilização contínua de saltos altos, onde os joelhos se projetam para frente.
Nem preciso dizer o tamanho da minha frustração.
Terminei meu dia com inchaço nos dois joelhos, sem poder caminhar pela manhã, levar os cães para passear e usar salto alto.
Cheguei em casa a fui correndo abrir o meu armário de calçados. Que desespero! não tenho nenhum calçado com salto médio ou pequeno. O menor deles foi a bota que fui hoje ao fisioterapeuta, e já me rendeu uma bronca sem fim!
Confesso que estou arrasada. Meu mundo visto de cima acabou! 
Sugestão do fisioterapeuta - usaflex "nimim". E agora????
Até a próxima!