11 de maio de 2011

ENTRADAS E BANDEIRAS (2): Salta

Cá estou eu... ainda de molho em casa. A febre cedeu mas ainda estou me cansando muito.
Na verdade a minha vontade agora é de sair para pedalar, dar uma super-volta com os cachorros, mas não posso :o( . Repouso, repouso, repouso.
Então, para não surtar de vez (você não imagina o que é um TDAH ter que ficar repousando...) resolvi escrever sobre a cidade mais maravilhosa, mais fantástica, aquela que vai ser visitada novamente em breve -  SALTA.
Salta "la linda" fica a noroeste da Argentina, e é a cidade que existe antes de subirmos a Cordilheira para o Chile.
MAAM
A primeira coisa a se falar de La Linda é seu Museu de Arqueologia de Alta Montana, que guarda as múmias mais bem conservadas de todo mundo, los Ninos de Llullaillaco.
Estas três crianças incas foram oferecidas em rituais para o Sol. Estes foram escolhidos desde o nascimento. No ritual eles foram embebedados com chicha (aguardente de milho), colocados em sestas de vime e congelados. Por conta deste processo e das condições que se apresentaram na época - frio extremo e pouca umidade - os corpos foram muito preservados. Isso aconteceu há mais de 500 anos atrás.
La Doncella - 15 anos
El Nino - 7 anos

La Nina Rel Rayo - 6 anos
Enquanto eu levitava entre os mais diversos locais da praça onde se encontra o MAAM – sim, porque existem outros museus menores próximos -  o piloto aguardava pacientemente em um barzinho na praça. E durante horas ele me via volitando entre as mais diversas portinhas...
Saímos daí e fomos para um lugar bem empoeirado que era um misto de adega, cervejaria e champanheria. Com a garrafa do champanhe Chandon a uns 15 reais, nem preciso dizer que este foi mais um desejo realizado, beber muito champanhe regado a sanduiche de miga de presunto. Foi a glória!
Voltando ao Hotel Alto Parque, um hotel muito aconchegante e acolhedor, lá fui eu dormir. Para os que me conhecem e conhecem meus sonhos loucos, imaginam bem o que aconteceu! Quando o dia é muito elétrico para mim, eu acabo juntando tudo em sonhos.
Durante a viagem de Resistência a Salta, vimos várias faixas e pichações com os dizeres “As Malvinas são nossas”.  Isso quer dizer que quando fui dormir, sonhei que eu e La Doncella estávamos na sacada do quarto vendo um desfile onde a rainha da Inglaterra passeava conversando meu vira-latas Custódio (!!!). Nem preciso dizer que eu acordei gargalhando né?
Dos dois dias que passamos em Salta, para mim foi inesquecível, e estou programando quando voltar de Machu Picchu , passar por lá de novo. Afinal a Enterprise (nosso carro) existe para ir audaciosamente onde nós sonharmos.
Eu não sei se já te contei, mas eu sou apaixonada pelo General San Martin, o libertador das Américas. Para dar vazão à minha paixão gratuita por ele, em cada cidade, vilarejo, entradinha que passávamos eu tirava uma foto da estátua dele. Em cada cidade da Argentina, Chile, Paraguai e Uruguai tem uma rua e uma praça San Martin. 
Pela rota do vinho, fomos de Salta para El Calafate, reduto da civilização inca. Mas isso já é uma outra história...
Até a próxima!

Um comentário:

  1. Mas voce é doida mesmo hein??
    vai gostar assim de aventura lá na Cordilheira!!!
    Eu adoro suas fotos e a forma que você escreve. Parece que estamos tomando uma taça de vinho na sua varanda!
    beijos

    ResponderExcluir