24 de abril de 2011

FIM DE SEMANA FURADO: A Programação Errada que deu Certo

Feriado prolongado é tempo de testar o carro novo para ver se aguenta a pirambeira de ir até Machu Picchu.
E como sempre acontece aqui em casa - exceto para viagens internacionais -  saímos de casa sem destino, sem reserva, enfim! A proposta era testar o carro.
A sugestão de paragem era Conceição do Ibitipoca (MG) para fotografar o Parque Estadual. Chegando lá achamos tudo lotado, sem lugar para ficar sequer em Lima Duarte. Preços altíssimos, cidade lotada de turista, o inverso daquilo que eu chamo de um ecológico fim-de-semana.
Assim sendo, seguimos "para o alto e avante"  e paramos na cidade de Bom Jardim de Minas, uma cidadezinha que não tem absolutamente nada. Mas foi apenas para dormir.
No dia seguinte, tínhamos duas opções: ou voltar para Conceição de Ibitipoca ou seguir outro destino. E assim resolvemos pegar o dia de estrada de chão para testar o TR4.
De Bom Jardim fomos até Santa Rita de Jacutinga. De lá seguimos para a Fazenda Santa Clara, que eu era louca para conhecer mas da última vez que fomos a Conservatória não deu porque estava chovendo e o carro não era 4X4.
Cheguei ao paraíso!! Santa Clara era uma fazenda da época do ciclo do café. Mas que história !!!
Santa Clara era uma fazenda de café diferente. Ela processava o café mas não cultivava café.
Na realidade Santa Clara era uma fazenda de reprodução de escravos, que na época era proibido.
Os escravos bantos vinham castrados da África devido às ordens dos Estados Unidos e da Inglaterra, e sempre os senhores de engenho tinham que comprar os escravos deles. Até que o  Sr. Francisco de Bustamante resolveu "importar" uma aldeia inteira de angolanos para montar uma fazenda de reprodução de negros.
E para os vizinhos, ele trocava 8 sacas de café por um escravo, e assim ele conseguia o café para trabalhar e servir de fachada para o governo que tinha cedido as sesmarias para produção de café. E como eles tinha que disfarçar, os escravos não ficavam na fazenda, mas em senzalas de reprodução no meio do mato na Fazenda São Bento.
Como a  Igreja Católica proclamou os negros como seres sem alma, assim como os animais, as negras "procriavam" a partir dos onze, doze anos em media (primeira menstruação), e como tinham que reproduzir, amamentavam apenas no primeiro mes para induzir a fertilidade e assim costumavam morrer com 13, 14 anos pois o organismo não aguentava.
Eu fiquei chocada com a história!
Existiam as masmorras onde os escravos rebeldes eram algemados e supliciados. De todos os "artefatos"  de punição (tortura!!!) o que mais me chocou foi o suplicio, onde a cabeça, braços e pernas eram presos no tronco e o escravo sequer conseguia colocar o bumbum no chão para repousar, e por conta desta posição, quando recebiam as chibatadas sempre causava a fratura nas vértebras, e por causa disso os escravos eram sacrificados por falta de utilidade. Como eles não podiam chorar ou gritar, eles arranhavam a parede de dor.
Acredite se quiser fiquei tão chocada na masmorra que cheguei a cair de costas! perdi o equilíbrio e tomei um tombo feio!!!
Esta fazenda também foi uma das sedes onde se reuniam os maçons da época do império para realizar suas reuniões. Veja que interessante a nave da capela. A pintura principal é completamente preenchida com elementos da  maçonaria, como o martelo e o compasso (abaixo do lençol de Jesus) e o triangulo vermelho formado pelo manto de Nossa Senhora.

Depois deste período, a sede tem a chegada do rádio em 1901 devido à chegada da luz elétrica (essa foto ficou linda, não acha???)
 Ahh... sabe de onde vem o doce pavê?? Os mostruários de doces nesta época ficavam expostos nestes móveis parecidos com cristaleiras à mostra para os convidados escolherem e as escravas fazerem para sobremesa.

Após este período a fazendo foi um cassino e foi passando de descendente a descendente até os dias de hoje. A Adélia, que é a descendente que levantou toda a historia da fazenda, me disse que ela está sendo vendida para um alemão que vai revitalizá-la e transformá-la em hotel fazenda, mas segundo ela, não para o "bico" da maioria dos brasileiros. Será um Hotel Fazenda de turismo histórico para europeus. Só de investimento,  a Adelia nos contou da ordem inicial de 10 milhões de reais! Ela eté falou que o interesse da família era manter a fazenda, mas sem o auxilio do governo, sem ser patrimônio histórico, os descendentes não tem como injetar investimento e manter a estrutura da casa;

Então, se voce quiser conhecer este pedaço da história viva do nosso país antes de pagar em euros, acho bom ir logo...
****
Carol, voce que me pediu para dar uma opinião sobre o TR4, o meu - que é automático - não dá muita segurança, principalmente nas ultrapassagens da estrada. Algumas vezes que acelerei, ele ficou "gritando"  e não desenvolveu como um 2.0. Na estrada de chão ele também ficou um pouco a dever, ainda mais quando estava na 4X4 de baixa. Procurando hoje nos sites de carro, também fiquei sabendo que a Mitsubishi não dá muito apoio aos clientes, o que me descartou até mesmo a troca desta TR4 pela Pajero Sport diesel.
Bom... para Machu Picchu, estamos pensando em investir em uma outra Hilux, pois não estou confiando nesta TR4 pela Bolívia ou pela transpantaneira.
Até a próxima!

4 comentários:

  1. Adorei seu blog! E me interessei muito por essa sua postagem. Realmente é chocante!
    Obrigada por compartilhar conosco ;)
    Bjsss

    ResponderExcluir
  2. Adorei a viagem!!!! Obrigado pela oportunidade!!!! beijos de páscoa.
    chico, alê e Guilherme

    ResponderExcluir
  3. Amei o post! Adoro Santa Rita de Jacutinga! Essa fazenda foi cenário de uma novela... Obrigada pelas dicas do TR4. Bjs,
    Carol

    ResponderExcluir
  4. Valeu pelos posts! A Adélia (dona e residente da fazenda) escreveu um livro com todos os documentos que conseguiu levantar. A editora Globo está editando e assim que vender a fazenda, ela vai lançá-lo.
    Eu primeiro achei um post muito forte, ia só contar a parte mais light da viagem, a estrada etc. mas achei que devia dividir com vocês esta experiência.
    A novela gravada lá foi Terra Nostra (ou algo parecido rsrsr)
    beijos a todos!!!

    ResponderExcluir