28 de novembro de 2010

DISCOS DE VINIL - Nostalgicamente Cool

A música sempre me acompanhou. Meu pai sempre gostou de escutar música, e eu sempre o acompanhei nesta paixão.
Lembro da nossa primeira vitrola, uma sharp que dava para colocar vários LP para não precisar ficar mudando sempre.
Meu pai sempre comprava os discos para mim e meu irmão e lembro que meu primeiro disco foi o "The Wall" de Pink Floyd.
O tempo foi passando... meus discos me acompanharam por onde passei.
Quando veio a tecnologia dos CD, confesso que demorei muito a me render ao som limpo e cristalino.
Afinal, eu cultivava aqueles LP com os chiados, de uma gravação original da década de 50 de Mama Thornton e tantos outros!!
Uma vitória! Consegui o Sgt Pepper's Lonely Hearts Club Band ORIGINAL!!! A capa dupla plastificada!!!
Comprei cd, dvd, enfim tudo o que tinha música, pois é a música que me faz feliz!
O tempo passou e eu guardei a vitrola AIWA que meu pai comprou, há muito tempo atrás.
Com eu sou apaixonada por cinema  e música eu tinha adaptado meu som para sair como som stereo, juntando o DVD ao som. E sempre sonhando com a vitrola que meu pai deixou para mim...
Até que finalmente eu comprei o home teather que sempre quis e assim trouxe da casa de meus pais a tão falada vitrola. Minha mãe trouxe com apenas 4 discos para testá-la e se necessário mandá-la para o conserto. E qual foi minha surpresa ver que depois de mais de 15 anos, a tal funciona melhor que qualquer mini-system!
Por “acaso”, o LP que minha mãe trouxe para testar foi um de Stanley Jordan, que dia mais feliz!  Johann que nunca tinha visto algo tão antigo se emocionou ao escutar  Stairway to Heaven com este fantástico guitarrista.
Foi uma noite inesquecível! E vem muito mais por aí... Afinal só vieram quatro de uma coleção que quase duzentos, que sobreviveram guardados por quase vinte anos esperando por este momento mágico!
Até a próxima!!!




14 de novembro de 2010

CUSTODIO DE FREITAS JUNIOR - Um amigo de valor!

Hoje para mim foi um dia muito triste. Durante a madrugada o meu querido Todinho faleceu em meus braços, vítima de um ataque cardíaco.
No início de 2000 eu fiz uma daquelas mudanças radicais na vida. Tinha decidido aceitar novas oportunidades e devido ao trabalho me mudei para Macaé. 
Deixei minha casa, minha família, meus amigos, coloquei Johann (então com cinco anos) em baixo do braço e fui para Macaé.
E com um filho pequeno, uma geladeira e um fogão, fui embora com um sonho a viver.
Macaé é uma cidade muito complicada, desculpem os que gostam de lá mas eu não me adaptei em nada, e chegou um momento em que a saudade de tudo e de todos falou mais alto. Nesta época, como era difícil instalar um telefone fixo no bairro onde morava, não tinha como conversar com os amigos, ou as facilidades de hoje da internet.
 
  Eu tinha uma cadela vira-latas muito fofa lá, a Angélica, mas em um belo dia que eu estava no Rio, a empregada deixou a porta aberta e Angelica sumiu. Como ela era a minha "grande confidente", fiquei muito triste e só.
Assim, um belo dia, meus pais chegaram com uma caixa de sapatos onde tinha lá dentro um filhote de 28 dias da cadela do meu irmão, que tinha dado luz a uma ninhada e mamãe escolheu o menor de todos.
E assim surgiu Custodio de Freitas Junior, ou Todinho para os íntimos.
Ele cresceu cheio de mimos, dormia com Johann, brincava direto e acima de tudo ficava quietinho me olhando enquanto eu desabafava com ele.
E assim se passaram os anos, e eu tive a benção de poder voltar para o Rio, junto daqueles a quem amo e claro! Com Todinho como o mais novo membro da família!
 Todos os meus amigos conhecem Todinho, que se aproveitava dos meus descuidos e corria para pedir um pedacinho de pão para as visitas (rsrsrsr)
Todas as vezes que eu me preparava para embarcar, ele já conhecia a bolsa e enquanto eu arrumava o capacete, o uniforme, ele se escondia embaixo da cama e ficava quietinho.
Quando voltei para o Rio, meu pai já doente, eu me mudei para um apartamento no mesmo prédio que ele. Todos os dias meu pai dava a desculpa de ver se o Todinho estava bem, mas na verdade ele ficava na minha casa escutando meus cds.
 
Passaram-se os anos e mudei para esta casa. Claro que meu grande amigo veio com status de rei da casa, ainda mais quando a Labralouca chegou.
 
Mas há algumas semanas ele começou a apresentar uma tosse insistente, e como estava muito frio e úmido aqui por estas bandas, começamos a tratá-lo como bronquite. 
Como não melhorou, hoje, domingo eu já tinha agendado de levá-lo à clinica para fazer um raio x para a Gisele (veterinária) analisar melhor.
 
Infelizmente não deu tempo. De noite eu senti ele tendo uma contração e quando fui ver ele já estava morrendo. Teve um ataque cardíaco e não tinha nada para fazer, apenas segurá-lo e esperar ele morrer.
Realmente foi muito triste, afinal foi meu companheiro canino durante anos. 
Agora temos a labralouca, que está meio desorientada, lá fora sentada na varanda ainda esperando por ele. Mas isso passa, a vida continua e a evolução dele como princípio espiritual também.
Confesso que vai ser muito chato estes dias sem ele, até me acostumar, mas ... fazer o que? Ficam as lembranças divertidas de anos de convivência.
Valeu Sr. Custódio de Freitas Junior!!!

11 de novembro de 2010

STAKE ON BOARD - Criatividade a Mil! (Tribo dos Taligado II)

Uma coisa que sempre programei na vida quando Johann chegasse na fase de adolescente, seria procurar uma casa perto de um shopping para ele poder começar a "abrir as asas" mas sob a supervisão da mãezona aqui. Assim ele poderia ir para o shopping lanchar ou ir ao cinema com os amigos sem pagar o mico de a mãe o levar. E para adolescente, voce sabe, tudo é mico!

Sempre fui também o tipo de mãe que prefere que o filho traga os amigos para ficar em casa do que a garotada ficar andando pela rua ou em casa que não conheço. Assim, desde que ele é pequeno que minha casa vive cheia de "sobrinhos". (E claro! Estoques de copos descartáveis, pipocas, pratinhos, etc.)

estacionamento de skate na varanda
E agora ele está na fase do SKATE OR DIE.
Ele conheceu um grupo de amigos que também amam o skate, e eles andam todos os dias à tardinha. É bom porque o filhote TDAH (déficit de atenção e hiperatividade) volta para casa morto de cansado, e assim dorme cedo para a escola. Mesmo com 14 anos, ele tem o hábito de dormir no máximo às 22:00hs, o que é ótimo para o rendimento escolar. claro! sendo extremamente criativo, ele e os amigos ficam bolando eventos (como a sessão de filme de terror), passeios, etc.
Ontem eu cheguei em casa e quando estava me aproximando do portão, escutei um "reco, reco", "toc, toc". O que seria aquilo? 
Mais uma vez eles comprovaram a frase (atribuída) de Einstein: "se um problema não tem solução, use a imaginação".
Eu tinha prometido a Johann que no Natal encomendaria no serralheiro para ele uma rampa portátil de skate, para ele montar em casa. Como ele (impaciente que é!!!) não quis esperar, ele e os amigos passaram pela rua e acharam jogado um armário velho.
Sem qualquer vergonha pegaram o armário e levaram para a minha casa e começaram o desmanche. 
Estão lá, serra, serra serra, prega, prega, prega...
O jardim está de pernas para o ar! Entre uma serrada e outra tem a parada para a pizza, o mergulho na piscina, enfim.
Só assim que uma casa pode ser feliz, com muita energia rolando, com o astral da meninada lá em cima porque eles estão criando uma rampa para eles, estão exercendo a criatividade.
Eles podem até não ter (ainda!!) jeito com as ferramentas nem muito jeito para fazer as coisas, mas o importante é a disposição em inovar, em materializar seus sonhos e vibrar no fim de tudo! Só não sei quanto tempo esta rampa vai aguentar sendo carregada por aí...
Tá Ligado???

9 de novembro de 2010

QUE NOITE BEM DORMIDA - Depois de tanto tempo...

Depois de meses de noites mal-dormidas, tenho que dizer em alto e bom som! Ah... que noite bem dormida!!! E acredite se quiser, foram 12 horas de sono, na boa... sem remédio nem nada!!!
Em junho me submeti a uma cirurgia de cancer de mama, mas creio que nunca tive coragem de dizer isso abertamente, talvez pela fragilidade da situação. Sei lá... coisas de minha cabeça...
Ontem fiz os últimos exames e o que mais me apavorava : o dopler. Foi assim que descobri os tumores.
Eu achei engraçado quando entrei na sala de exames e a Dra. Vania me disse: "Rô, tô de saco cheio de te ver aqui. Hoje teremos boas noticias e não quero te ver tão cedo!"
Da primeira vez que fiz exame com ela e foram diagnosticados os tumores, ela chegou para mim e disse: "se voce esperar um pouco, atendo a última paciente e a gente desce para tomar um porre"
E aqui estou eu... seis meses depois, curada e feliz, chorando sim! mas de felicidade porque a minha estrada teve algumas pedras, mas continua linda!
Aos que rezaram por mim agradeço com todas as minhas forças!
A vida ...  é bonita e é bonita!!!