29 de setembro de 2010

VIAGENS - Fim de Semana na Estrada

Bom.... como uma boa representante do grupo de "Mentes Inquietas", tem horas que simplesmente cai o transformador, começo a embolar tudo e o melhor nestas horas é simplesmente desconectar do dia-a-dia e abstrair de tudo.
Com o ano extremamente difícil que tem sido 2010, com a sobrecarga de trabalho das últimas semanas, somando doença do Johann neste mês, audiências na justiça e outras coisas, semana passada foi uma destas que deu "shut down" na planta. 
Meus neurônios simplesmente pegaram o primeiro barco e foram pescar em Bora Bora!
Então eu fui para Minas Gerais passar sábado e domingo, rever uns amigos em Passos, comemorar o niver da coisa mais fofa chamada Dani Paim e desconectar dos problemas da semana e restaurar a saúde do corpo e principalmente do Espírito. E como eu estava precisando!

A viagem foi extremamente agradável, e eu, como fotógrafa de carteirinha, sempre estava com minha máquina em mãos.
No caminho do Circuito das Águas tem um alambique chamado Paraíso cujo cartão de visitas, tanto da sede quanto da lojinha no meio da estrada, são bonecos bebuns muito engraçados, que ficam no meio da estrada e que eu fiz questão de tirar foto junto.
Ficou muito maneiro!

Como voce pode perceber, hoje o papo está "menos" do que nunca, pois o que quero mesmo é mostrar as fotos que A-DO-REI!
Quando meus neurônios voltarem de Bora Bora, eu volto a pensar em textos mais elaborados, ok?



Até a próxima!

23 de setembro de 2010

NÃO ME RECONHECI - Fiquei Ruiva e Nem Te Contei!

Então....
Este ano foi um ano, ou melhor, está sendo um ano de grandes mudanças e quebras de paradigmas em minha vida.
E uma das coisas que sempre quis fazer foi pintar meu cabelo de ruivo. Como cinéfila de carteirinha, tenho paixão pelas divas dos anos 50, 60, que eram maravilhosamente ruivas! Quem não se lembra de "Gilda"?
Então fi-lo porque qui-lo (rsrsrsrsrs). Desde o processo da minha doença que culminou com a cirurgia este ano, eu prometi para mim mesma que se eu não precisasse me submeter a quimioterapia ou radioterapia, eu iria satisfazer este desejo - pelo menos uma vez na vida serei ruiva.
Mas embora tenha ficado um trabalho muito bonito da minha cabelereira Zezé, do salão By Byra (e atualmente cabelereira de grande parte das mulheres da gerência onde trabalho), não consigo me ver ruiva, não está no sangue!
Nasci loira! Como minha mãe diz, meu cabelo parecia um punhado de algodão, e minha vó reclamava que ele era tão fininho que não conseguia fazer uma "maria chiquinha". Mais parecia um caminho de rato.
Cresci loira! E quando estudava na UFV meu apelido era "Xu", de "tia Xuxa", pois da minha república que era composta de 5 químicos (!!!!!) eu (junto com Betolino) era quem cursava Mestrado, enquanto os demais cursavam a graduação.
Vivi loira! Escutando inúmeras piadas de loira, vendo as pessoas fazendo apologia à burrice das loiras, mesmo chegando a cursar doutorado, lugar onde grande parte das outras tonalidades de cabelo não conseguiram chegar... fazer o que né?
E quando chegou a era da internet? Você não tem noção da quantidade de e-mail de piada de loira que recebo por semana! 
Mas quando vi minha foto ruiva no post anterior, tirada no show do Diego Max, me assustei - esta não sou eu! É outra pessoa!
Bom, mas já matei a vontade, o cabelo já está desbotando e em breve ele estará clarinho de novo... Zezé não me deixou pintar o cabelo da minha cor original agora iria sacrificar muito o cabelo - que é muito fino - ela prefere esperar mais um pouco, deixar o cabelo descansar e depois fazer decapagem para tirar a tinta ruiva.
Agora...de todos os nomes que já me chamaram por causa do cabelo - Tia Xuxa, Cachinhos Dourados, Rapunzel - acho que o mais inusitado e o mais exótico foi me chamarem de Cabelos de Aletria, uma alusão a um macarrão finíssimo que faz doce italiano. Esse foi demais! 
Quanto ao cabelo,vou esperar até o fim do ano ... afinal quem sabe ainda não termino 2010 com o cabelo azul!
Mas enquanto não apareço aqui com esta novidade... até a próxima ... ruiva!!!

19 de setembro de 2010

DIEGO MAX - Um Musico Fantástico que Chegou em Nossa Cidade

Então...
Eu tinha feito um convite a alguns de vocês no orkut sobre o show de um amigo muito querido, o Diego Max. 
Para quem não conhece, Diego Max é argentino, com uma trajetória fantástica, filho de Lucio Yanel, que é o mestre do grande músico brasileiro Yamandu Costa.
Diego chegou no Brasil na sexta-feira de madrugada (dia 17/09) e no sábado já começou a mostrar a que veio.
Ele fez um show MA-RA-VI-LHO-SO no Espaço Carioca - Laranjeiras -  que foi simplesmente apaixonante!
Eu sei que você vai dizer que sou amiga, e bla-bla-bla mas fiquei encantada com o repertório! As músicas, compostas por ele, misturam TUDO o que você possa imaginar. Tango, maracatu, salsa, samba, enfim, uma salada musical que unem as origens dos filhos da "Mãe Africa".
O Espaço Carioca é um bistrô super aconchegante, com uma livraria/videoteca antes, com livros raros, e claro! Uma coleção fantástica de livros.
O show de Dom Diego teve a participação especialíssima de uma dançarina, a Fernanda, que dividiu com ele o palco por diversas vezes e foi realmente maravilhoso!
Para quem não saboreou esta dádiva dos deuses, ele estará no Espaço Lapa Café às 20:00hs da próxima sexta, dia 24/09. O endereço é av. Gomes Freire n. 457 - Lapa. reservas 3971-6812.
Com certeza te vejo lá!!!
Até a próxima! Mas por enquanto você pode ir curtindo um pouco o show do meu querido Dom Diego com a linda Fernanda! 

12 de setembro de 2010

HOJE FOI DIA DE VESTIBULAR!

Voce pode até me achar meio louca, sabe como é... já tenho "bodas de prata" como Química, mas resolvi este ano dar prosseguimento a um antigo sonho, que é cursar faculdade de História da Arte.
Sou apaixonada por artes, em especial pintura e música. Para quem não sabe, o nome de meu filho - Johann - é uma homenagem a Johann Sebastian Bach, por causa da obra "A Paixão Segundo São Mateus", uma obra belíssima mas desconhecida do grande público.
Também estou desenhando um rack para meu novo home theater inspirado em Mondrian, mas esta é uma outra história...
Em 2008 eu até fiz a primeira fase e passei, mas na segunda fase eu estava dando minhas voltas pela América do Sul.
Mas este ano, depois de tudo acalmado, de já estar devidamente instalada na casa nova, resolvi retomar este sonho e hoje acordei - e muito bem disposta - e lá fui eu para a UERJ prestar o famoso vestibular.
A prova foi tranquila. É meio estranho ver aqueles jovens desesperados, repassando a matéria nos últimos segundos, já que para mim é por puro prazer, alimento do espírito.
Mas eu até que entendo, pois o que para mim será um curso por prazer, sem a obrigação de passar e me formar para sustento, para muitos deles está em jogo o futuro profissional.
Bom... fiz a prova numa boa, tranquila e depois, claro! Com o calor do Rio de Janeiro, só parando no Petisco da Vila para um chopinho gelado, afinal, ninguém é de ferro!
Até a próxima!

7 de setembro de 2010

NOSSO LAR – Um Filme Maravilhoso!

Eu sempre fui bastante crítica quanto a assistir filmes cujos livros eu já tenha lido. Para mim foi uma decepção ver filmes como A Casa dos Espíritos (Isabel Allende), O Iluminado (Stephen King), Dracula (Bram Stroker) e tantos outros. Eu acho que o filme fica muito aquém do livro. Talvez pela minha mente um tanto quanto viajante ser mais fértil do que a dos roteiristas (heheheh).
Mas hoje, fui prestigiar o filme Nosso Lar, que estreou na sexta-feira, dia 03/09. A minha primeira grata surpresa foi saber que todas as sessões de todas as salas estavam esgotando. Encontrei uma senhora muito simpática na fila da entrada que me disse o seguinte: -“todo mundo diz que não acredita, então tem só tem fantasma na fila”. Achei o máximo o comentário dela! Na poltrona atrás da minha tinha uma companheira do mesmo Centro Espírita que freqüento – CELD, ou seja, me senti em casa! E passa pipoca pra lá, passa refrigerante pra cá, enfim...
Mas vamos ao que interessa – o filme.
Como eu tinha falado no primeiro parágrafo do post, eu tenho muitas reservas quanto a livros que viram filmes, mas Nosso Lar superou vertiginosamente todas as minhas expectativas.
Tirando a primeira parte, quando mostrava Andre Luiz no umbral, quando a voz dele narrando estava baixa em relação ao som de fundo, o resto foi fantástico.
É claro que o filme tem muito menos história do que o livro, mas as cenas que foram selecionadas foram suficientes para espelhar com clareza  para o público o que seja a colônia espiritual Nosso Lar, como é a “vida após a vida”, e como é feito o intercâmbio entre os diferentes planos do mundo.
Emmanuel entrou no filme. Embora ele não seja personagem do livro – ele “apenas” escreveu a mensagem inicial – a presença dele é justificada pela importância que representa como autor espiritual e participante deste grupo espiritual formado por ele, Chico Xavier e Andre Luiz.
Confesso que chorei: Quando chegam os primeiros “mortos” da guerra, e os habitantes de Nosso Lar saem para ampará-los, eu chorei tanto! Ainda bem que o cinema é escuro e ninguém viu!
Vale a pena ver! É um filme muito bonito, feito com muita emoção, por uma equipe fantástica de profissionais. E a trilha sonora então??? Feita por ninguém menos que Philip Glass, um dos maiores músicos da atualidade (não acredita? Digita no Google rsrsrs)
Frases marcantes do livro são inseridas no filme, o que traz o pensamento de Andre Luiz de uma forma muito envolvente, e uma delas eu trago abaixo para você:
"Uma existência é um ato.
Um corpo - uma veste.
Um século - um dia.
Um serviço - uma experiência.
Um triunfo - uma aquisição.
Uma morte - um sopro renovador
Quantas existências, quantos corpos, quantos séculos, quantos serviços, quantos triunfos, quantas mortes necessitamos ainda?"