27 de junho de 2010

CORDILHEIRA DOS ANDES - Susquez, Quebrada de Humahuaca

fotos:minha casa e Quebrada de Humahuaca (Argentina)
Hoje, com este dia lindo de céu azul, eu fui à minha loja preferida, Bardot Vinhos & Artes comprar o maravilhoso espumante Toso. Infelizmente estava em falta, pois a saída está muito grande (mas já reservei o meu!!!!).
Trouxe um outro vinho das mesma adega CRIOS, um vinho 50% Shiraz e 50% Bonarda. O Shiraz eu já conheço, um vinho forte e encorpado, mas confesso nunca ter ouvida falar do Bonarda.  Esta variedade de uva, oriunda da Italia e adaptada ao clima argentino, embora seja bastante aromático, não tem um sabor muito requintado, e para mim relembra aquelas safras não muito populares. Decepção.
Ao ficar namorando os demais vinhos da Bardot, comecei a me lembrar da viagem que fiz em de carro, quando atravessei a Cordilheira dos Andes por Salta – São Pedro do Atacama.
Uma das passagens mais inusitadas foi na Quebrada de Humahuaca (Argentina), caminho para cruzar a Cordilheira para o Chile via Paso de Jama. Um local de outro planeta, que um dia foi fundo de mar e que agora são platôs enormes, com fendas inacreditáveis.
No meio da estrada, aquele parafuso que não tinha que estar ali, entrou no pneu do carro e então começou a longa saga de procurar uma Gomeria  (borracheiro) no meio do nada.   O vilarejo mais próximo, já na subida da Cordilheira, foi um lugar chamado Susquez.
Carro parado no borracheiro, e lá vou eu ficar do lado do carro olhando o conserto. Do meu lado, parou uma menininha de cerca de 4 anos, e ficou parada me olhando, de cima a baixo, com o olhar bastante intrigado! Ela passou um tempão me olhando, e quando fui dar um “holá” para ela,  a meninha me arregalou os olhos e saiu correndo. A primeira coisa que pensei foi ter feito besteira, sei lá como é a tradição deste povo!
Mas aí parei para perceber o mundo ao meu redor e vi que onde paramos era um povoado indígena. Não vi ninguém com a pele branca. Então fiquei imaginando que aquela menininha talvez jamais tivesse visto uma pessoa tão branca e loira como eu!!!  Me senti uma alienígena naquela terra de casas de terra, mas confesso que quando voltei para a estrada, nunca ri tanto!!!!
De lá, comecei a subir a atravessar a Cordilheira para a divisa com o Chile, para pegar o deserto de Salar com seus flamingos ao longe, mas isso é uma outra história...
Até a próxima!!!!

Nenhum comentário:

Postar um comentário