2 de junho de 2010

COMEMORAÇÃO! Hoje é Dia!!!

Hoje é um dia para se comemorar!

A cirurgia foi um sucesso e ontem tirei as bandagens e os pontos. Estou 100% pronta para outra! Completamente curada!
Claro que me deu uma vontade louca de me presentear com aquele sapato carézimo, de um palmo de salto, mas me controlei. Até minha mãe estranhou!!!! Ela pensou que esta história de educação financeira fosse da boca para fora rsrsrs
Mas não fiquei com água na boca não. Eu havia planejado que se eu tivesse sucesso nesta jornada contra o câncer, eu ia me dar um presentinho. Comprei uma boina linda!
Mas o assunto hoje não é sobre educação financeira, mas sobre educação do espírito.
Este mês de maio foi realmente um divisor de águas na minha vida. Os exames doloridos, a tristeza de saber dos tumores (qualitativa e quantitativamente), a cirurgia e o afastamento do trabalho me levaram a uma reflexão muito grande. Nos 15 dias que sucederam minha cirurgia, eu pude refletir bastante sobre como vivemos.
Sei que todos têm uma vida muito agitada, corrida, e é comum dizermos “não estou com tempo para isso, para aquilo”, mas convido todos a terem “tempo para o próximo”.
E o que seria isso?
Embora eu estivesse de licença médica, em casa, distante da minha rotina diária, recebi muitas visitas, o que foi ótimo, maravilhoso! Mas o que me chamou atenção e me fez muito bem foi a quantidade de email e telefonemas que recebi. Tive amigos que até mesmo entre uma reunião e outra me mandavam um torpedo.  
Ah....muitos podem dizer que eram simples torpedos, sim eram. Mas a questão é a mensagem subentendida nas entrelinhas, que é exatamente “lembrei de você e quero que fique boa logo”.
Mas em contrapartida tiveram aqueles que disseram “vou te visitar, telefonar com certeza” e sequer mandaram email, ligaram ou mandaram aquele torpedo. São os que não têm tempo para nada. Ou melhor, não tem “tempo para o próximo”. Aí quando te encontram, dão um sorriso amarelo e dizem “menina, não tive tempo sequer de respirar”.
E eu fiquei pensando...
primeiro fiz um mea culpa e depois eu comecei a refletir. Será que tratamos os outros como queremos ser tratados? Na minha casa vinha gente todo dia - até cachorro - mas e aqueles que são incapazes de cultivar e cativar amizades?
Eu pensei em algumas pessoas que conheço que não tem amigos e fiquei imaginando como eles passariam por uma situação grave sem apoio de amigos, de família. Sabe aqueles que só são voltados para si mesmos? Como eu falei no post “notícias do front”, 90% da recuperação se deu graças ao carinho, às preces e às vibrações positivas que recebi durante este período. E quem não tem isso? E quem se fecha para o mundo? Quem se acha auto-suficiente?
Caracol, que pode se curar no corpo, mas o espírito fica doente com a solidão e a luta solitária contra a doença. Deve ser muito triste não acham?
O tempo, somos nós que fazemos, priorizamos, planejamos etc. Mas mais difícil do que achar tempo para fazer as coisas, é arranjar disposição para sairmos de nossa posição passiva diante do próximo, que pode ser a exteriorização de uma postura de orgulho e vaidade – sim, porque o próximo que deve vir até mim – e é desta passividade que devemos lutar contra. Com esta passividade criamos muralhas diárias, e depois não conseguimos sair, ou o outro não consegue mais nos enxergar.
É ir sempre em direção ao próximo, pois no dia que a situação ficar difícil, o próximo estará batendo na sua porta.
E isso quer dizer: para o mundo, eu fiz a diferença!
Até a próxima – já de volta à deliciosa rotina do dia-a-dia!!

2 comentários:

  1. Querida, uma pena vc não ter recebido os meus comentários anteriores! O pior é que muita gente deve ter comentado nesse período da cirurgia. Mas o mais importante é vc saber que estamos todos te apoiando! Força! E vai dar tudo certo!
    Bjs,
    Carol
    PS: Espero que vc consiga receber dessa vez...

    ResponderExcluir