24 de dezembro de 2009

O AMOR É UMA FILOSOFIA DE VIDA

E assim, depois de muito esperar, num dia como outro qualquer, decidi triunfar...
Decidi não esperar as oportunidades e sim, eu mesmo buscá-las.
Decidi ver cada problema como uma oportunidade de encontrar uma solução.
Decidi ver cada deserto como uma possibilidade de encontrar um oásis.
Decidi ver cada noite como um mistério a resolver.
Decidi ver cada dia como uma nova oportunidade de ser feliz.
Naquele dia descobri que meu único rival nao era mais que minhas próprias limitações e que enfrentá-las era a única e melhor forma de as superar.
Naquele dia, descobri que eu não era o melhor e que talvez eu nunca tenha sido.
Deixei de me importar com quem ganha ou perde, agora me importa simplesmente saber melhor o que fazer.
Aprendi que o difícil não é chegar lá em cima, e sim deixar de subir.
Aprendi que o melhor triunfo que posso ter, é ter o direito de chamar a alguém de "Amigo".
Descobri que o amor é mais que um simples estado de enamoramento, "o amor é uma filosofia de vida".
Naquele dia, deixei de ser um reflexo dos meus escassos triunfos passados e passei a ser a minha propria tenue, luz deste presente.
Aprendi que de nada serve ser luz se nao vai iluminar o caminho dos demais.
Naquele dia, decidi trocar tantas coisas...
Naquele dia, aprendi que os sonhos sao somente para fazer-se realidade. E desde aquele dia ja nao durmo para descansar...
Agora simplesmente durmo para sonhar."
(Walt Disney)

video

Recebi este vídeo em 2008, mas quero compratilhar com voces a mensagem, pois acima de tudo, a nossa vida é um eterno aprendizado.
Que possamos ver o Natal não apenas como uma troca de presentes ou ida ao shopping na última hora, mas realmente o que ele representa.

Uma oportunidade única do ano de refletirmos sobre nossa vida, sobre nós mesmos, e com a simbologia do nascimento do Senhor Jesus, propormos não mudar o mundo, mas a nós mesmos, empenhando nos votos de fim de ano no renascimento moral de um Espírito disposto a enfrentar muitas lutas, mas humilde ao agradecer ao Pai Maior as alegrias recebidas.

FELIZ NATAL!

MEU ANIVERSÁRIO - Amigos do Trabalho

(fotos: Caçador e Devassa)



Bom ... para quem não sabe, eu faço aniversário no dia 25/12, e é obvio que comemorar aniversário junto com Jesus é uma competição, digamos ... desleal
E o que é muito bom, pois afinal de contas nós brasileiros moramos no "Coração do Mundo, a pátria do Evangelho"
Mas diferente das pessoas que nascem nos demais 364 dias, eu não tenho a oportunidade de comemorar meu aniversário com meus amigos no próprio dia.

Então, na verdade, eu comemoro com meus amigos antes e depois do meu aniversário, o que é muito bom!
Este ano eu iria comemorar com o pessoal do trabalho apenas depois do expediente, mas tinha pessoas queridas que não poderiam estar presentes por viajarem ou compromissos já marcados antes de eu fechar a programação.


Então os "Meninos Seguros" (pessoal da Segurança do SMS) marcaram de almoçar e festejar.
Não vou entrar nos detalhes da escolha do lugar, que foi deixado a cargo do caríssimo Helgrem (Hell Boy para os mais chegados rsrsrs) mas no fim das contas tivemos que caminhar mais de meia hora no sol escaldante do Rio para chegar. Por isso tão "queimadinha" nas fotos.
Acabamos em um barzinho chamado Caçador na Santo Afonso, e foi muito divertido, ainda mais com Brandão monopolizando a máquina fotográfica com suas "auto-foto".


Segunda Parte: "A NOITE É UMA CRIANÇA"


No fim do dia, depois daquela moleza causada pelo chopp do almoço e pela caminhada infernal e pela proximidade das férias, comecei a segunda parte das comemorações.
Eu tinha feito uma reserva no DEVASSA Tijuca e foi simplesmente maravilhoso!
Meus amigos queridos passaram por lá, nem que fosse para me dar um beijo, o que foi muito bom!
Afinal, depois do horário do trabalho, Happy Hour é com descontração total!
Foi simplesmente maravilhoso rever amigos que já não estão no convívio conosco, no dia-após-dia do trabalho.

E sem querer ser piegas, quando a gente faz aniversário no Natal, aprende que poder passar o resto do ano com nossos amigos queridos é o nosso maior presente.
Mas a comemoração não acaba por aqui... lembra que falei que comemoro antes, durante e depois?
Pois ainda tem a comemoração com a família amanhã, e no fim de semana com meus amigos queridos da Casa Espírita!

Eita aniversário mais badalado!
Até a próxima!!!

19 de dezembro de 2009

LUNAE SALTON – Um Delicioso Frisante

(foto: minha casa, Grajaú)

Na Praça Verdun (Grajaú) existe uma locadora de vídeo – Thunder - que tem como característica principal dividir seus maravilhosos títulos com uma adega.
Isso mesmo! Uma adega também funciona dentro da locadora.
Eles possuem uma coleção bastante interessante de vinhos, com ótimas procedências, inclusive me faz “sentir em casa” porque a maioria das vinícolas que já visitei na America do Sul tem seus vinhos ali à venda.
Eles também fazem frequentemente uma tarde de degustação com promoção dos vinhos, e ontem foi uma destas tardes.
E para mim foi particularmente delicioso, pois a tarde de degustação foi da linha Lunae, um frisante maravilhoso da vinicola gaúcha Salton.
Estar lá foi muito gostoso, principalmente porque tem uma historia por trás da Lunae.
Tive oportunidade de conhecer esta linha na época do lançamento dela na própria vinícola, em uma viagem pelos vinhedos gaúchos que fiz em agosto de 2008.
Como sou apaixonada pela Salton, passar por lá era inquestionável.
Quando fui à parte de degustação e venda na loja experimentei este novo frisante e realmente ele é maravilhoso.
Tem todas as características para ser degustado em nossa cidade maravilhosa, pois tanto o branco quanto o rose são leves e frugais e gelados (como recomendado) se tornam a combinação perfeita com nosso clima.
A promoter que estava me mostrando as linhas da Salton, me disse que o grande mercado consumidor do prosecco é o Rio de Janeiro, que somos campeões de consumo deste néctar de Baco.
O Rio de Janeiro, além de continuar lindo, continua elegante, e tenho certeza de que vocês não vão deixar de experimentar estes frisantes maravilhosos.
Ah... Como no dia da degustação tem promoção das linhas, comprei algumas garrafas. Quer vir tomar uma taça comigo aqui na varanda?

Até a próxima!


15 de dezembro de 2009

Hoje eu só quero falar, simplesmente falar

(foto: Teresopolis, Grajau)
Desta vez não vou fazer críticas a nada nem a ninguém. Hoje eu só quero falar, simplesmente falar.
Hoje não me importa as bobagens que me mandam e me dizem. Voces estão com medo de comer camarão com aquele limãozinho (vit. C) por cima?
O problema é de voces! Eu vou me esbaldar no camarão com cerveja beeem gelada e limão!
Semana passada recebi um e-mail de um conhecido onde ele me anexou umas fotos artísticas de sua filha. Fotos lindas! A "moleca" estava muito bonita, mesmo! E respondi a ele dizendo que ela estava linda nas fotos, e que estava com a pele ótima, bem melhor (ele havia comentado que ela estava com espinhas no rosto) e sabe o que ele me respondeu? "que deve ser truque de photoshop, a pele dela é horrível".
Fiquei meio constrangida com a resposta, pois eu estava fazendo um elogio às fotos - lindas! - e ele me respondeu apenas reforçando os defeitos.
A mensagem passada foi: "olha, pode até ser bonito mas é falso", ou seja, este conhecido não consegue ser capaz de uma resposta positiva, prá cima, nem que seja algo do tipo: "a pele dela continua com problemas, mas realmente as fotos ficaram lindas".
Esta pessoa esqueceu de ser cortês, de ser bondosa, ate mesmo de ser educada (com a própria filha!!!), porque hipocritamente acha que falar as coisas de forma "nua e crua"- sobre os outros - é o melhor, embora denote uma crítica mesquinha.
Eu parei para pensar, e comecei a analisar que sempre escrevendo críticas aos textos que recebo podem me fazer ficar assim - mesquinha.
Fiquei com medo! Eu realmente não concordo com estes textos falsos que circulam na internet, vou continuar escrevendo sobre eles quando assim me perguntarem, mas tentarei ser mais amena nas palavras, e escrever mais coisas belas também.

Outra coisa interessante foi minha amiga do trabalho Carol falar em inferno astral . Ela colocou que ele começa um mes antes do aniversário.
Hehehe, morri de rir com o texto dela, porque parecia que ela resolveu hospedar no final de semana a familia Addams em sua casa. Eles foram embora e esqueceram de levar a nuvem preta do carro. Rsrsrsrs
Pois, ao contrario da Carol, meu paraiso astral começou um mês antes do meu aniversário. E eu não poderia estar mais feliz!
Para os que convivem comigo, sabem que este ano foi um ano de grandes provações, de grandes decepções.
Desde seu início- falo sem o menor pudor - foi o pior ano da minha vida - e isso estou contando o período intra-uterino e meu parto traumático (rsrsrs, depois conto a historia).
Somou tudo, inclusive um problema de saúde do meu filho que o fez passar por um tratamento intensivo e dispendioso desde praticamente o meio do ano.
E toda minha alegria começou na consulta dele na semana passada. O médico dele irá suspender a medicação a partir do dia 22/12, para ver como ele reage sem ela. Voces nem imaginam como eu chorei de felicidade!
Como se não bastasse, neste fim de semana estava eu em casa quando meu filho me abraçou por trás e quis passar um tempo conversando comigo, e dentre uma das coisas ele me confidenciou sua vontade de fazer faculdade de música.
Fui ao delirio! Que profissão maravilhosa de se escolher!
E de lambuja minha familia vai continuar sem ter médicos, engenheiros, administradores ou advogados. Continuará imersa nas profissões inusitadas.
A gente sempre está junto para escutar uma música nova (o cara se amarra em um rock!!!), um videoclip novo.
E descobri que todas as dificuldades que passamos juntos foi providencial para nos unirmos cada vez mais. Este ano aprendi muitas coisas positivas:
Aprendi a perdoar, aprendi a não guardar rancor no coração, aprendi o valor da familia e dos amigos.
Aprendi a rir das pequenas alegrias, antes que as grandes tristezas chegassem.
Aprendi que acordar às 5:00 da manhã tem suas vantagens, afinal, escuto de forma limpa e clara o som das cigarras cantando e dos bem-te-vi acordando.
Também tive conquistas materiais. Este ano, comprei meu primeiro secador de cabelos (que veio de brinde uma chapinha). Tá certo, não uso, mas já é um grande passo. Sabe quantas pessoas, inclusive homens, achavam um absurdo eu não ter um secador? Eu me achava no tempo das cavernas, e então comprei um lindo! Todo vermelho! rsrsrs.
Na matemática pura e simples, minha familia não diminuiu, ela aumentou. Ganhei a Labralouca, fiz meu laguinho e povoei de peixes e siris.
Aprendi a ser persistente, plantei por tres vezes o meu jardim, e mesmo vendo que minha labralouca comeu meus 36 cactus, vou perseverar e vou replantar tudo em janeiro, nas minhas férias.
Como podem ver, mesmo no pior ano da vida da gente, a gente aprende muito.
O mar da história da minha vida foi agitado em 2009.
Mas passei nas provas com louvor, e agora, já no finalzinho do ano, tenho a certeza que o mes de dezembro tem sido o meu "paraíso astral".
Agora é pegar o boletim da vida, sacudir a poeira e gritar como o grande mestre Gonzaguinha " mas isso não impede que eu repita, bonita, é bonita e é bonita!"
E para terminar, coloco parte de um poema de Maiakovski que acho lindo:

" Não estamos alegres, é certo,
mas também por que razão
haveríamos de ficar tristes?
O mar da história
é agitado.
As ameaças e as guerras
havemos de atravessá-las,
rompê-las ao meio,
cortando-as
como uma quilha corta as ondas."
Obrigada Pai, por tudo que me destes!
TODA MOEDA TEM DUAS FACES
Até a próxima!

Em tempo: enquanto eu estava escrevendo este texto no trabalho, meu amigo Brandão parou na minha mesa e perguntou: como foi a consulta do filhote? tentei contar que ele vai ficar sem os remédios, que o "tratamento de choque" deu certo mas as lágrimas não deixaram. Chorei muito, de felicidade. O mais emocionante? Brandão, que acompanhou a historia desde o início, teve seus olhos cheios de lágrimas...

8 de dezembro de 2009

LIVRE DECISÃO

Fotos: Teresópolis (RJ)Todos somos construtores dos nossos destinos.
A cada minuto da vida, fazemos opções importantes e decisivas para a nossa economia moral.
Sempre temos diante de nós duas ou mais opções que deveremos eleger, de conformidade com a nossa livre vontade.
Se estamos no trânsito, por exemplo, e alguém nos corta a frente, temos que decidir rapidamente entre duas opções: xingar ou ficar quieto.
Se nos aproximamos de um cruzamento, cujo sinal está fechado para nós, podemos optar entre parar o veículo ou avançar com o sinal vermelho.
Na convivência diária, quando alguém nos fala mal de outro alguém, podemos optar entre sermos o ponto final da maledicência, ou levar a fofoca adiante.
Se uma pessoa nos pede uma informação qualquer, podemos dar ou não a informação.
Ou ainda, dar a informação correta ou incorreta, conforme nossa livre vontade.
Se abraçamos alguém, podemos optar entre um abraço frio, desprovido de sentimento ou um abraço pleno de afeto verdadeiro.
Se ofertamos uma flor, poderemos escolher entre uma flor sem perfume e outra perfumada.
Nas conversações diárias, temos sempre a possibilidade de falar com otimismo ou usar as palavras para espalhar o pessimismo e a insegurança.
Diante da dificuldade que se apresenta, podemos assinar, de pronto, um atestado de derrota ou acreditar que seremos capazes de vencer o obstáculo.
Como podemos perceber, em todas as situações nós é que decidimos, de livre vontade, entre as opções possíveis, cabendo-nos depois, o resultado da própria decisão.
Se no trânsito optamos pelo xingamento, teremos consequências diversas das que teríamos se nos calássemos.
O motorista que fechou o nosso veículo pode não nos ter visto, ou ter errado no cálculo, e, nesse caso, assumirá o equívoco e não revidará.
Mas se estiver procurando encrenca, como se costuma dizer, responderá com violência e o desfecho poderá ser totalmente desagradável.
Se escolhemos avançar com o sinal vermelho poderemos nos chocar com outro veículo e colher as consequências correspondentes.
Se diante da possibilidade de disseminar a fofoca e a intriga, optamos por nos calar, certamente evitaremos muitos dissabores.
E isso depende exclusivamente da nossa livre decisão.
Vale a pena que meditemos em torno dessas questões que nos dizem respeito.
A situação poderá se agravar ou se resolver, sempre de conformidade com as nossas tomadas de decisão.
Os minutos se apresentam para todos nós como bendita oportunidade de crescimento para Deus.
Dessa forma, cabe-nos optar entre ser um sorriso que ampara ou um soluço que desanima;
um raio de luz ou uma nuvem de preocupações;
um ramo de flores ou um galho de espinhos;
um amigo que compreende e perdoa ou um inquisidor que condena e destrói;
um auxiliar devotado ou um espectador inoperante;
um bálsamo que restaura ou um cáustico que envenena;
uma chave de solução nos obstáculos ou um elemento que os agrava;
um esteio da paz ou um veículo da discórdia;
uma bênção ou um problema.
Enfim, estaremos constantemente tomando decisões importantes, sempre de acordo com a nossa livre vontade.
Pensemos nisso!





Redação do Momento Espírita com base nos cap. 18 e 29, do livro Educandário de luz,, pelos Espíritos Emmanuel e André Luiz, psicografia de Francisco Cândido Xavier, ed.André Luiz.




Em 09.03.2009

7 de dezembro de 2009

ELEGÂNCIA - Toulouse-Lautrec não era Elegante

fotos: Maceió (AL)
Como voces sabem, nada me tira tanto do sério como estes textos apócrifos da internet.
Quando vejo textos como o do camarão com vitamina C, da dioxina, textos de Einstein, de Shakespeare, eu fico irritada, não com os que o fazem, mas com os ignorantes os propagam.
Dá a sensação "cinza" de ignorância epidêmica. Para mim e minha crise já é caso de Saúde Pública!
Se Shakespeare não aprendeu nada, Toulouse-Lautrec não era elegante!
Mas por favor, não contem às centenas de donos de blogs e sites que colocam mais este texto como um grande ponto de reflexão e os amigos que repassam emails que eles estão na classe dos enganados, ok?
Segundo algumas "informações", este texto foi extraído de um livro chamado "EDUCAÇÃO ENFERRUJA POR FALTA DE USO" escrito pelo pintor francês, Henri TOULOUSE-LAUTREC (1864-1901).
Alguém já teve a curiosidade de ler a biografia deste fabuloso pintor? Pois bem, ele NUNCA escreveu livro nenhum! Não acreditam em mim? Procurem da internet este livro para fazer download ou para comprar. O que? Não foi traduzido? Procure na amazon.com.
Não estou aqui para denegrir a imagem de Toulouse-Lautrec (seria muito deselegante!!), que para mim foi um grande artista de sua época, mas se alguém conhecesse - pelo menos superficialmente - a sua biografia, saberia que ele não escreveria um texto destes. Se quiser saber sobre ele (e vale a pena!) procure em sites confiáveis a sua biografia.
A propósito, ele nunca escreveu texto nenhum...Mas como estou naquela famosa "minha crise dos 40" (descrito no texto "inteligência acadêmica e inteligência filosófica"), resolvi questionar um pouco este texto, e algumas frases são ótimas para isso!
O texto "original" está logo abaixo, ok? Aqui só comento algumas frases (em negrito)
É a elegância que nos acompanha da primeira hora da manhã até a hora de dormir e que se manifesta nas situações mais prosaicas, quando não há festa alguma nem fotógrafos por perto
Hum.... isso eu vou deixar voces procurarem na internet ... quando que voces acham que surgiu a máquina fotográfica? Vão me dizer que na época de Toulouse já existia, mas na época dele, eram máquinas onde os fotografados tinham que ficar estáticos por minutos para não produzir apenas um borrão. Então me digam, como poderia haver os fotógrafos por perto? Afinal, eles não tinham como correr atrás dos famosos né? E na sua época, Toulouse era tudo, menos famoso.
Em determinado momento TL (para os íntimos, rsrsrs) fala o seguinte: (a elegância) ... É possível detectá-la nas pessoas que não usam um tom superior de voz ao se dirigir a frentistas.
Epa!!!! Se TL morreu em 1901, antes mesmo dos carros serem produzidos em série, antes mesmo de Ford e sua fábrica, até mesmo antes de termos como combustível a gasolina, como que existiam frentistas?
Será que a origem dos frentistas é de encher a barriga dos cavalos com feno e depois eles foram realocados (reengenharia do século retrasado) para encher os tanques de gasolina, cujos postos só surgiram por volta da primeira guerra?
(...) ao receber uma ligação, não recomenda à secretária que pergunte antes quem está falando, e só depois mandar dizer se está ou não está.
Gente, pelo amor de Deus! Quantos telefones voce acha que existiam neste período? Não me digam que em cada casa ou empresa tinha um telefone no fim do século XIX! mesmo porque nosso Grahann Bell era americano e demorou anos até que o sistema telefônico chegasse à Europa.
Enfim, cansei de listar as pérolas do texto! Para o golpe de misericórdia, me reportanto à época de TL vivo (Ah... ele morreu aos 36 anos de sífilis, após tanta dedicação à boemia, ao alcoolismo e à prostituição) voce consegue imaginar pelos finais de 1800 alguém falando os termos "bate-papo" , "brucutu", "frescura" e "enferrujar"?
É demais, concordam? Mas de uma coisa eu sei! É extremamente deselegante encher nossos e-mails e sites da internet com estas baboseiras sem analisar a veracidade. Com certeza!
Voce fez isso? desculpe, mas voce é extremamente deselegante!
Até a próxima!
Elegância
Existe uma coisa difícil de ser ensinada e que, talvez por isso, esteja cada vez mais rara: a elegância do comportamento. É um dom que vai muito além do uso correto dos talheres e que abrange bem mais do que dizer um simples obrigado diante de uma gentileza.
É a elegância que nos acompanha da primeira hora da manhã até a hora de dormir e que se manifesta nas situações mais prosaicas, quando não há festa alguma nem fotógrafos por perto. É uma elegância desobrigada.
É possível detectá-la nas pessoas que elogiam mais do que criticam. Nas pessoas que escutam mais do que falam. E quando falam, passam longe da fofoca, das pequenas maldades ampliadas no boca-a-boca.
É possível detectá-la nas pessoas que não usam um tom superior de voz ao se dirigir a frentistas.
Nas pessoas que evitam assuntos constrangedores porque não sentem prazer em humilhar os outros.
É possível detectá-la em pessoas pontuais.
Elegante é quem demonstra interesse por assuntos que desconhece, é quem presenteia fora das datas festivas, é quem cumpre o que promete e, ao receber uma ligação, não recomenda à secretária que pergunte antes quem está falando, e só depois mandar dizer se está ou não está.
Oferecer flores é sempre elegante.
É elegante não ficar espaçoso demais.
É elegante você fazer algo por alguém, e este alguém jamais saber o que você teve que se arrebentar para fazê-lo.
É elegante não mudar seu estilo apenas para se adaptar ao outro.
É muito elegante não falar de dinheiro em bate-papos informais.
É elegante retribuir carinho e solidariedade.
É elegante o silêncio, diante de uma rejeição.
Sobrenome, jóias e nariz empinado não substituem a elegância do gesto. Não há livro que ensine alguém a ter uma visão generosa do mundo, a estar nele de uma forma não arrogante.
É elegante a gentileza; atitudes gentis falam mais que mil imagens.
Abrir a porta para alguém, é muito elegante.
Dar o lugar para alguém sentar, é muito elegante.
Sorrir, sempre é muito elegante e faz um bem danado para a alma.
Oferecer ajuda, é muito elegante
Olhar nos olhos ao conversar, é essencialmente elegante.
Pode-se tentar capturar esta delicadeza natural pela observação, mas tentar imitá-la é improdutivo. A saída é desenvolver em si mesmo a arte de conviver, que independe de status social; é só pedir licença para o nosso lado brucutu, que acha que "com amigo não tem que ter estas frescuras". Se os amigos não merecem uma certa cordialidade, os inimigos é que não irão desfrutá-la.
Educação enferruja por falta de uso. E, detalhe: não é frescura.