18 de agosto de 2009

VELHO CEGO, CHORAVAS - Pablo Neruda

(O mar que Pablo Neruda olhava pela janela ...)

VELHO CEGO, choravas quando tua vida era
boa, quando possuías nos teus olhos o sol:
Mas se o silencio já chegou, o que é que esperas,
O que é que esperas, cego, desta maior dor?

Em teu rincão pareces menino nascido

Sem os pés para a terra, sem olhos para o mar
E como os animais dentro da noite cega
- sem dia e sem crepúsculo - cansas de esperar.

Porque se conheces o caminho que leva
Em dois ou três minutos para a vida nova,
Velho cego, o que esperas, que podes esperar?

E se pela amargura mais dura e destino,
animal velho e cego sem caminho e tino
eu que tenho dois olhos saberei te ensinar

(Pablo Neruda, do livro Crepusculário)

Nenhum comentário:

Postar um comentário